A nudez e as máscaras sanitárias

Publicado no

Nenhuma nudez exibe uma falta, mas uma presença


A intenção de quem expõe um corpo nu é mostrar que ele se basta, ou denunciar que o esconderijo moral das vestes nunca será suficiente. Não à toa, no percurso dos séculos, a natureza provocativa da nudez tem sido utilizada como potente instrumento de protesto contra a cambiante ordem das coisas.

Mesmo a exposição de apenas parte do corpo é muitas vezes um fator controverso: genitais que performam em museus, seios que amamentam em público. Mulheres presas com cabelos soltos sem véu.

Naturalmente, em um mundo machista, os exemplos são muito mais contundentes quando nos referimos à nudez feminina. Mas, de uns tempos para cá, parece que algo mudou.

Se observarmos as ruas das cidades brasileiras nos depararemos com um fenômeno até então nunca visto: centenas e mais centenas de homens e mulheres, velhos e crianças, pobres e ricos, em plena luz do dia, expondo suas bocas e narizes despidos das máscaras sanitárias.

Uma nudez provocativa, decerto, que contra todas as recomendações médicas insiste em se exibir e arriscar a vida de todos.

Alegam que são a favor da liberdade individual. Mas a liberdade individual é uma conquista coletiva, e a coletividade, no momento, carece da proteção das máscaras. Alegam também que não há comprovação científica da utilidade do artefato. Mas a ciência é um caminho que se faz caminhando, e não por isso deixa de merecer credibilidade.

Será então o protesto provocativo dos desnudos apenas burrice? Difícil que alguém impulsione sua potência compelido apenas por burrice. Mesmo a mais crua e nua delas é coberta com algo.

Na ausência de uma resposta definitiva, imperativo afirmarmos que uma luta que tem como intuito provocar a ideia mais básica de civilidade só pode ter como bandeira e lema a própria incivilidade.

É o bloco do eu sozinho, o egoísmo em sua forma mais mesquinha: o outro pouco importa porque não sou eu.  Mas esse eu que sou estará protegido sendo nada ao eu que é o outro?

Sennett definia civilidade como o desejo de não ser um peso ao próximo. Bauman recuperou o conceito e o usou em seu livro Modernidade Líquida, justamente valendo-se do exemplo da máscara.

Obviamente se referia a tempos anteriores à pandemia, mirando provavelmente a conhecida conduta dos orientais, que, constipados, vestem-se com o apetrecho como uma delicadeza a quem está ao redor.

Se não tivermos algum apego mínimo à civilidade em nosso país, de que servirá estarmos junto em sociedade, preservarmos valores democráticos, liberdades individuais, ciência ou qualquer outra coisa?

Leia o artigo no Poder 360

Compartilhar

Copiar link

Copiar